Cinema e Gastronomia no Slow Film em Pirenópolis

comeroqQuatro dias de filmes e gastronomia, baseados no conceito do “quilômetro zero” – relacionado ao consumo de alimentos que não tenham percorrido grandes distâncias até o consumidor final – é o que irá ocorrer no Cine Pireneus, na cidade de Pirenópolis, em Goiás, de 15 a 18 de setembro.  Trata-se da sétima edição do Slow Film, que exibirá 24 títulos, entre curtas e longas-metragens, produzidos em diferentes países, como Espanha, Polônia, Portugal, Reino Unido, Suíça, Peru, Canadá, Japão e Brasil, entre outros.

Em comum estão as temáticas dos filmes, que buscam recuperar tradições gastronômicas. Também abordam a importância de aprender com os antigos a respeitar a sazonalidade dos alimentos, a enxergar a produção regional como fonte generosa de ingredientes para a gastronomia, e a valorizar o conhecimento adquirido como aprendizado para tornar melhor o planeta nos dias atuais.

O evento contará com palestras e degustações, incluindo biscoitos, sucos e frutos do cerrado, Jerez, azeite e vinho portugueses produzidos pela empresa Esporão darão sabor às noites de sexta e sábado do Slow Filme, acompanhados da conversa com produtores, realizadores e chefs. Os encontros e degustações acontecem no pequeno teatro de arena, na área que liga o Cinema ao Teatro Pireneus.

Entre os destaques do evento, está o lançamento no Brasil de dois projetos premiados de Portugal. Trata-se de Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar Dela Própria e de A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, criadas pelo realizador Tiago Pereira, que fará um bate-papo com a plateia.

Ainda serão exibidos episódios da série musical e episódios destinados à culinária, contando com a presença do chef português André Magalhães, eleito “Personalidade do Ano na Gastronomia” de Portugal, pela revista Wine, e um dos três maiores de seu país, pelo prêmio Mesa Marcada. André Magalhães participa do programa de Tiago Pereira, não só como chef convidado, mas como consultor, e conversará com o público sobre a ideia do projeto, que além de registrar a preparação ancestral de alimentos, convida chefs contemporâneos para fazerem uma espécie de releitura da receita antiga, preparando-a diante da câmera.

O Brasil estará representado em filmes como Apart Horta, uma ficção-documentário que fala da possibilidade de tornar saudável o alimento cotidiano das grandes cidades, Guardiãs do Queijo Coalho, curta que registra a produção do famoso queijo por sertanejas do interior de Sergipe, e Comer o quê?, que vasculha os hábitos alimentares dos brasileiros, contando com depoimentos de nomes como Alex Atala, Bela Gil e Marcos Palmeira.

O diretor de Comer o quê?, Leonardo Brant, conversará sobre o trabalho com a plateia. Em seguida, um descontraído encontro com a chef Regina Tchelly, criadora do projeto Favela Orgânica, uma iniciativa concebida em 2011, nas comunidades cariocas de Babilônia e Chapéu Mangueira, que visa ensinar a população a aproveitar os alimentos em sua totalidade. Hoje, as oficinas do projeto já circularam pelo Brasil e por alguns países como França, Itália e Uruguai. Regina Tchelly é paraibana, ex-empregada doméstica, e decidiu aproveitar sua experiência em frequentar as xepas das feiras livres para ajudar as famílias das comunidades mais pobres do país a enriquecerem a alimentação, com pequenas mudanças de hábitos. Atualmente, é chef da Rede Terra Madre e possui o buffet Favela Orgânica.

Além disso, quem for ao Cine Pireneus poderá contemplar uma exposição, sob a curadoria de Sérgio Moriconi, composta por 22 capas de discos de vinil como parte da exposição Natureza Móvel. Nas imagens, um percurso da relação do homem com a natureza.

“É uma construção por espelho: à primeira imagem de uma flor sob o azul celeste do céu, seguimos até a imagem derradeira da flor encapsulada um ambiente asséptico e sem vida; ao voo livre dos pássaros (segunda imagem) se contrapõe uma vassoura ante um ambiente vegetal (penúltima imagem) denunciando a presença do homem; à faina dos agricultores sobre a pilha de feno, se opõe a sinistra figura (a morte?) do indivíduo com a foice no trigal. Entre essas três dicotomias mencionadas, a faina do homem, a domesticação da natureza, os enlatados, as ilustrações da banana e da Coca-Cola de Andy Warhol (a natureza como metáfora pop) – simbolizando, no contexto da exposição, o descolamento do homem da natureza. Por fim, os efeitos perversos da industrialização, antecipados, em contraponto, com as representações dos enlatados”, comenta, Moriconi.

Confira a programação completa

SEXTA-FEIRA, 16.09

15h00 – The Perennial Plate (Chá para dois – 3’57) + O ADN do Ceviche (85min)
16h30 – Brasa (7′) + Noma – Minha Tempestade Perfeita (95min)
18h30 – The Perennial Plate (O mel de Kars, 4’30) + Mais que Mel (91min)
20h30 – Guardiãs do queijo coalho do sertão (14min) + Comer o quê? (60min)

Sessão seguida de conversa com o diretor Leonardo Brant e com Regina Tchelly Freitas, criadora da Favela Orgânica.
Coquetel /degustação Central do Cerrado

SÁBADO, 17.09

14h45 – O Sonho de Sônia (14min) + Caracóis (30min) + Episódio A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria (Flores do Alentejo – Vindo eu de longe ao longe)
16h00 – Retrato de um Jardim (98min) + Episódio A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria (Adélia Garcia – Só nós dois é que sabemos)
18h00 – Jerez – O mistério do Palo Cortado (88min) + Episódio A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria ( Paisagem sonora:Manuel Augusto dos Santos – Chamamento de rebanho)
20h00 – The Perennial Plate : O Conto de duas coberturas (5’35) + Caçadores de Trufas (4’45) + Há somente café (4’32)+ Um ato de resistência (4’03)
20h30 – Lançamento, no Brasil, do projeto Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar dela Própria, com a presença do realizador Tiago Pereira e do chef André Magalhães. Exibição dos episódios Torricado (7′) + Cataplana de Litão do Rio Formosa (6’30) + Túberas com molho amarelo.

Encontro com a plateia e degustação de vinhos e azeites Esporão, com queijos de cabra produzidos pela fazenda Recanto das Águas, de Armando Rollemberg. Participação especial da produtora Silvia Canas da Costa, proprietária da Quinta da Lapa, referência vinícola em Portugal.

DOMINGO, 18.09

15h00 – The Perennial Plate (Com Sentido, 7’08) + Retorno a Yarasquin (35min)
16h15 – Pequena Floresta (60min)
18h00 – Vamos todos para Larzak (118min)

Atividades paralelas
Gratuitas e abertas ao público em geral.

·  15/09/2016 das 14 às 17hs.

OFICINA XEPA: COZINHA DA RECICLAGEM E DO AMOR para merendeiras das escolas de Pirenópolis e comunidade. Elaboração de receitas sem desperdício, filmes, brincadeiras e boas conversas com REGINA TCHELLY e JUSSARA DUTRA.
Local: a definir.
Entrada livre

·  16/08/2016 das 9 às 12hs

OFICINA XEPA: COZINHA DA RECICLAGEM E DO AMOR para merendeiras das escolas de Pirenópolis e comunidade. Elaboração de receitas sem desperdício, filmes, brincadeiras e boas conversas com REGINA TCHELLY, JUSSARA DUTRA e CENTRAL DO CERRADO.
Local: Universidade Estadual de Goiás
Entrada livre

REGINA TCHELLY – Cozinheira da reciclagem. Fundadora do Favela Orgânica, projeto que  tem como objetivo modificar a relação das pessoas com os alimentos, evitar o desperdício, cuidar do ambiente e combater a fome de forma prática, a partir do Ciclo do Alimento: Consumo Consciente, Compostagem Caseira, Hortas
em Pequenos Espaços e Gastronomia Alternativa (Aproveitamento Total dos Alimentos)

JUSSARA DUTRA: Coordenadora do GT de Pesquisa em Culinária do RS e Chefe de Cozinha do Palácio Piratini de 2011 a 2014. Líder do Convívio Slow Food Sul/ Porto Alegre. Psicóloga e Gastrônoma.

CENTRAL DO CERRADO: Central de cooperativas, estabelecida com diversas organizações comunitárias de sete estados brasileiros que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado. Além de promover a divulgação e inserção dos produtos comunitários de uso sustentável do Cerrado nos mercados regionais, nacional e internacional, a Central do Cerrado serve também como centro de disseminação de informações, intercâmbio e apoio técnico para as comunidades na melhoria dos seus processos produtivos, organizacionais e de gestão.

· 18/09/16, às 12h30

ALMOÇO PREPARADO PELO CHEF ANDRÉ MAGALHÃES – O célebre chef português, que comanda a culinária da Taberna da Rua das Flores, em Lisboa, considerado um dos melhores restaurantes de Portugal, vai preparar um menu especial em homenagem ao SLOW FILME. O almoço será realizado no Restaurante Montserrat, de propriedade do prestigiado chef catalão Juan Pratginestós.

Número limitado de participantes.
Local: Restaurante Montserrat, em Pirenópolis
Horário: a partir das 12h30
Reservas: slowfilmefestival@gmail.com
Preço: a definir

Tags:, , , , ,

Categorias: Cultura gastronômica, Viagens e passeios

Assinar

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: