Dez anos da Estação Marupiara comemorados com muito sabor

massa de jabuticabaTexto e fotos Érika Soares

Ao completar 10 anos de funcionamento, o restaurante Estação Marupiara não poderia comemorar essa primeira década de forma mais apropriada: novos pratos que começam instigando a visão e terminam provocando suspiros de quem os degusta.

A chef Viviane Moraes, de forma magistral, ousou mais uma vez trazendo para o cardápio mais iguarias brasileiras, ainda desconhecidas por muita gente, como o baru – castanha proveniente do cerrado mineiro, que no paladar remete ao amendoim e à castanha de caju -, cumaru – uma fava de sabor semelhante ao da baunilha- e o licuri, um fruto da Caatinga, cujo gosto lembra entre coco e amêndoa.

O novo menu também traz a jabuticaba como uma estrela, que vem apresentada de diversas formas e técnicas da gastronomia molecular: como compota, incorporada na massa fresca ou como licor esferificado.brusquetas de jabuticaba

A chef explica que além de novidades, o restaurante busca nesta nova fase priorizar o uso de ingredientes orgânicos sempre que possível e produtos feitos artesanalmente incentivando a economia familiar. “Temos aind pratos que remetem à culinária afetiva, que lembram comida de avó, como a carne na lata que veio para o cardápio impulsionado pelo sucesso do nosso forrobodó no farnel“, comenta Vivi.

Uma odisseia gastronômica

Se a ideia é surpreender o paladar de seus clientes, com misturas inusitadas de ingredientes doces e salgados, a chef Vivi conquistou o que queria. Entre Sabores pôde degustar nove preparações – entre entradas, pratos principais e sobremesas – em uma odisseia ou orgia – como a própria chef definiu – gastronômica, recentemente.

O ponto de partida foi uma deliciosa brusqueta de pão artesanal com creme de queijo e compota de jabuticaba gratinada com parmesão. O menu da noite seria extenso, mas foi irresistível ficar em apenas uma, embora fosse esse o número ideal.

Em seguida, foi servida uma entrada (foto1) que agradou imediatamente aos olhos e, posteriormente, ao paladar. A massa fresca com jabuticaba incorporada conferiu à fruta o status de ingrediente versátil na cozinha da chef. Um equilíbrio perfeito de sabores do recheio de queijo com compota de casaca de jabuticaba e manteiga de sálvia para grelhar.

Romeu e Julieta, Café e Cana, Pirarucu rolet e Pirarucu defumado

Romeu e Julieta, Café e Cana, Pirarucu rolet e Pirarucu defumado

Para os pratos principais, o lombo de tambaqui apareceu em duas versões: enrolado com azedinha, erva que também compõe o molho apresentado em esfera, sobre um aveludado creme de cará com um toque de wasabi e terra de três tipos de castanhas – caju, pará e baru – e com o peixe defumado acompanhado por uma incrível mistura de arroz arbóreo, vermelho e preto com abóbora assada com licuri e nozes carameladas. Durante a degustação deste último, muitas onomatopeias foram ouvidas na mesa – hummm, nossa, uau! – comprovando a excelência da combinação de sabores.

Percorrido nem a metade do menu estabelecido para a noite, foi preciso comer menos de cada prato para conseguir chegar até o final da degustação. Enquanto o estômago sinalizava que era chegada a hora de parar, a visão e o olfato diziam para seguir adiante.

Foi neste momento que uma mistura de ingredientes que remetem às Minas Gerais chegou a mesa e inebriou os sentidos por meio do risoto de café com um macio e saboroso ragu de costela bovina laqueada no melado.

E quando parecia ser improvável surpreender o paladar, eis que surgiu um incrível filet mignon recheado com goiabada cascão (acredite, eles combinam muito bem) coberto por molho gorgonzola e escoltado por risoto de queijo minas. Sem dúvida, uma inusitada versão do Romeu e Julieta.

Café com leite, Azedinho Doce e Abacaxi Tropical

Café com leite, Azedinho Doce e Abacaxi Tropical

Nesta fase o pensamento era de que seria impossível experimentar as sobremesas. No entanto, a primeira a ser servida era um tanto adstringente, o que ajudou na digestão, além de ser muito saborosa. O abacaxi cozido com especiarias, servido com cocada mole, espuma de coco e banana crocante é simplesmente perfeito.

A segunda sobremesa veio à mesa para representar a gastronomia contemporânea, com uma apresentação diferenciada e sabores singelos. Apesar de tudo o que foi antes degustado, foi fácil apreciá-la, em especial o laguinho de creme de cumaru, que acompanhou os cubos de brownie de chocolate branco com uvaia e o de gelado de chocolate.

O encerramento foi com a versão do restaurante para o tiramissu feito com bolo de café, gelado de queijo, calda de chocolate polvilhado com cacau e canela. O toque especial dessa sobremesa é o licor de jabuticaba em forma de esfera que a acompanha.

Em resumo: para quem conhece ou não a comida da Estação Marupiara, uma dica: está na hora de ir, ou voltar. Palmas para a chef Vivi Moraes.

Serviço
Restaurante Estação Marupiara
Rua Prof. Manuel Saturnino do Amaral, 29, Joaquim Egídio, Campinas/SP
Telefone: (19) 3298-6289 ou 19 99243-1715
E-mail: restaurante@estacaomarupiara.com.br

Tags:, , , , , , , , , ,

Categorias: Entre Sabores experimentou

Assinar

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: