Os hábitos alimentares e suas revelações

O sistema alimentar é composto por um conjunto de regras, representações e práticas, que apresentam variáveis de um grupo social para o outro. Dessa forma, o comportamento dos seres humanos em relação à gastronomia pode desvendar muito da sociedade a que pertence.

As comunidades constroem pratos que caracterizam sua identidade local a partir do que é consumido na coletividade, e essa iniciativa auxilia a fortalecer sua cultura ao longo do tempo. Alguns pratos colaboram, inclusive, para formar a ideia de identidade nacional, como é o caso da feijoada no Brasil, mesmo que o brasileiro não tenha o hábito de comer este prato constantemente.

Feijoada

Mesmo sem comer diariamente, brasileiro classifica feijoada como prato identidade

De acordo Santos (1), comer é um ato social, pois constitui atitudes ligadas aos usos, costumes, protocolos, condutas e situações. “Nenhum alimento que entra em nossas bocas é neutro. A historicidade da sensibilidade gastronômica explica e é explicada pelas manifestações culturais e sociais como espelho de uma época e que marcaram uma época.”

A comida brasileira, por exemplo, é resultado de uma primeira integração culinária portuguesa com a indígena, que depois foi mesclada à cozinha africana. Nossos pratos revelam essa mistura, que apontam para o domínio do colonizador em nossa gastronomia.

Com a abertura dos portos, ocorrida após a Independência, a nação brasileira assumiria novos rumos em sua gastronomia por conta de outras influências advindas da entrada de produtos alimentícios vindos de outros países e com a chegada dos imigrantes, que vieram trabalhar, principalmente, na lavoura do café, espalharam-se pelo país e deixaram sua contribuição para o enriquecimento da nossa cultura.

O gosto dos brasileiros pelo macarrão veio dos italianos. Dos alemães, assimilamos a cerveja. Os árabes sírio-libaneses trouxeram o quibe, a esfiha e ingredientes como a lentilha e a hortelã. Os espanhóis nos deram a tortilla feita ovos e batatas e a paella. Dos japoneses, herdamos o pastel de feira e os ingredientes à base de soja, como o tofu.

Esses são apenas alguns dos cerca de 70 povos recebidos pelo Brasil. Todos eles “acabaram criando raízes, misturando-se e deixando o nosso país ainda mais colorido étnica e culturalmente. E com certeza, muito mais saboroso”, comentam Freixa e Chaves (2).

Texto e foto: Érika Soares

——————————————————————–

(1) Carlos Roberto Antunes dos Santos. A alimentação e seu lugar na história: os tempos da memória gustativa. Curitiba: Editora UFPR, 2005.

(2) Dolores Freixa e Guta Chaves. Gastronomia no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2009.

Tags:,

Categorias: Cultura gastronômica

Assinar

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Para celebrar o dia da gastronomia! | Entre Sabores - 9 de novembro de 2013

    […] A gastronomia e sua história >> A comensalidade, um quesito fundamental >> Os hábitos alimentares e suas revelações >> A industrialização e as mudanças no […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: